18 janeiro 2013

Elefante (Elephant, EUA, 2003)




"A palavra Bully é de origem inglesa e significa valentão. Grande parte das pessoas confunde ou tende a interpretar o Bullying simplesmente como a prática de atribuir apelidos pejorativos às pessoas, associando a prática exclusivamente com o contexto escolar. Mas ele se caracteriza por ser algo agressivo e negativo, executado repetidamente e que ocorre quando há um desequilíbrio de poder entre as partes envolvidas. Desta forma, este comportamento pode ocorrer em vários ambientes, como escolas, universidades, no trabalho ou até mesmo entre vizinhos.” Foi lendo esta postagem num blog sobre Bully que me lembrei deste filme maravilhoso, e o quanto nós enquanto sociedade como um todo, não tentamos solucionar este problema! Hoje postei “Elelefante” e espero que gostem.



“Elefante” nos leva para dentro de uma escola secundarista Americana em um dia comum, que rapidamente se torna trágico. A história se desdobra, cheia de tarefas em classe, futebol, fofocas e socialização. Observa as idas e vindas de seus personagens a uma distância segura, nos permitindo vê-los como eles são. Os atores foram os próprios alunos da escola, inclusive os nomes dos personagens são os mesmo dos atores

 Ah, muita gente deve estar se perguntando por que o filme chama-se “Elefante”, pesquisando, descobri que inspiração para o título veio de um documentário feito em 1989 por Alan Clarke que havia dado aquele nome por significar que não ver aquele problema seria o mesmo de ignorar um elefante na sala de estar.


No filme "Elefante" o Diretor Gus Van Sant vem a público retratar as mazelas da vida de uma juventude totalmente perdida quanto a seus propósitos, é preciso vigiar melhor seus filhos, parentes e amigos, para que não sofram nem pratiquem esse tipo maldade. Ao retratar a tragédia de Columbine, Gus, que não tenta em nenhum momento explicá-la, mas retratá-la de forma crua, faz o filme extremamente angustiante. Um dos melhores filmes que assisti na vida.

Trailer do Filme:




Fontes:
http://www.travessa.com.br/sinopse
http://radiofamcinema.wordpress.com/cartaz


15 janeiro 2013

Carrie- A Estranha (Carrie, EUA, 1976 )



Ser diferente lhe transforma em algo repugnante, para os outros integrantes do grupo a que pertence. Por ser mais gordo, pobre, alto, baixo, inteligente, etc. Assistia uma série em que o garoto não queria ir para uma classe especial, já que sua inteligência era acima do normal, para não ser excluído pelos colegas. Ser diferente traz sempre um preconceito aliado a ele. E quando você junta tudo isto a uma criação voltada para o fanatismo, seja lá qual for, este preconceito aumenta e ai você vira chacota para sociedade a que pertence ou frequenta. Temos que respeitar as pessoas independe de que forma ela escolheu para viver e qualquer que seja suas opções na vida. E sim, tentar ajudar aquelas que se acham excluídas dos grupos por qualquer motivo. Aprendi isto com minha filha. E falando em exclusão postarei hoje um filme baseado num Romance do grande Stephen King e dirigido pelo Gênio Brian DePalma “Carrie- A Estranha” e eu tenho certeza que quem assistiu adorou e quem ainda não assistiu vai adorar.

Carry White (Sissy Spacek) é uma jovem que não faz amigos em virtude de morar com sua mãe Margareth (Piper Laurie), uma pregadora religiosa desequilibrada. Na escola, uma professora fica espantada pela sua falta de informação, quando descobre que foi menosprezada por suas colegas de sala por achar que estava morrendo ao ter sua primeira menstruação. Sue Snell (Amy Irving), uma das alunas que zombaram dela, fica arrependida e pede a Tommy Ross (William Katt), seu namorado e um aluno muito popular, que convide Carrie para um baile no colégio. Mas Chris Hargenson (Nancy Allen), uma aluna que foi proibida de ir à festa, prepara uma terrível armadilha que deixa Carrie ridicularizada em público. Só que ninguém imagina os poderes paranormais que a jovem possui e muito menos sua capacidade de vingança quando está repleta de ódio.Direção de Brian De Palma e no elenco Sissy Spacek, Piper Laurie, Piper Laurie, William Katt, Betty Buckley,Nancy Allen, John Travolta, P.J. Soles, Priscilla Pointer, Sydney Lassick, Stefan Gierasch, Michael Talbott, Doug Cox, Harry Gold, Noelle North, Noelle North,Deirdre Berthrong, Anson Downes, Rory Stevens, Edie McClurg, Cameron De Palma.

É notável a maneira original com a qual o diretor foi capaz de criar essa história onde à ação se passa entre o universo adolescente. O brilhantismo com que o diretor nos conduz na história de Carrie White é tão perverso, mas o terror em “Carrie, a Estranha” não vem do medo do desconhecido, de criaturas sobrenaturais ou mesmo do banho de sangue que ela entrega na palma da mão do espectador na climática seqüência do baile. O terror no filme vem do fanatismo religioso e do preconceito. O horror daqui cresce diante dos temores da protagonista e da humilhação que ela passa durante toda a projeção. Essa capacidade de trabalhar tão bem o terror de forma não gratuita e constante coloca o filme como um dos melhores do gênero. Como se não bastasse ser um excelente filme, é ainda uma ótima adaptação, com pouquíssimas passagens modificadas. Tanto o livro quanto a adaptação que dele resultou são memoráveis. 


Trailer do Filme


Fontes:
http://www.youtube.com/watch?v=QDkpLa4oGZc/trailer
http://www.clubcine.com.br/genero/suspense/14/sinopse
www.nonetflix.com.br/cartaz